Piso intertravado De grande valor paisagístico, o piso intertravado é uma solução inteligente para obras viárias, passeios, calçadas, ciclovias, estacionamentos, áreas externas de shopping, pisos industriais, pátios de aeroportos, pátios de terminal de container, etc. Possui vida útil longa, baixa manutenção e não requer mão-de-obra especializada para aplicação. São peças modulares de concreto com diversas formas, cores e texturas que, dispostas em conjunto, criam grandes áreas de superfície pavimentada de belíssimo efeito estético. O piso intertravado é muito usado para obras viárias, passeios, calçadas, praças, ciclovias, estacionamentos, áreas externas de shoppings, pisos industriais, pátios de aeroportos, pátios de terminal de container e outros. Possui vida útil longa, baixa manutenção e não requer mão-de-obra especializada para aplicação. Características do piso intertravado: melhor conforto térmico; melhor visibilidade noturna; liberação imediata ao uso; resistência ao tráfego pesado; versatilidade quanto às aplicações desempenho garantida. Principais vantagens da utilização de pisos intertravados os blocos colocados podem ser retirados e re-colocados, permitindo consertos subterrâneos em calçadas, sem remendos; tem uma variedade de formatos e cores que permitem uma gama de projetos; são ecologicamente corretos; fácil assentamento; extremamente duráveis; custo relativo compatível com alternativas pela sua durabilidade e facilidade de manutenção Espessura: Recomenda-se que as peças tenham espessuras mínimas de 6 cm, para pavimentos com tráfego leve, 8 cm para aqueles submetidos ao tráfego de veículos comerciais e 10 cm para casos especiais. Os blocos intertravados são assentados em cima de uma camada de areia, colocada sobre uma base de bica corrida ou outra especificada em projeto. Resistência Mecânica: Estudos mostram que a resistência à compressão uniaxial das peças, dentro de uma faixa de 35 a 55 MPa não tem influência no comportamento estrutural dos pavimentos sob carga de veículos comerciais de linha. Outros fatores, referentes à durabilidade são os que influem na fixação de resistências mínimas. No Brasil, a norma NBR 9781 (Peças de Concreto para Pavimentação – Especificação) estipula que a resistência característica estimada à compressão das peças, calculada de acordo com a NBR 9780 (Peças de Concreto para Pavimentação Determinação da Resistência à Compressão Método de ensaio), deve ser 35 MPa para as solicitações de veículos comerciais de linha ou 50 MPa quando houver tráfego de veículos especiais.