Clique em um dos serviços para uma breve explicação

Terraplanagem

O que é Terraplanagem:

Terraplanagem é um termo menos usual para se referir a terraplenagem, que significa ato ou efeito de terraplenar, encher de terra os vãos de um terreno para ele ficar plano. Consiste em uma técnica usada no âmbito da construção.
Este termo, que está relacionado com a construção civil, remete para processos de aplanar ou alisar um determinado terreno, onde muitas vezes terra em excesso é removida para lugares onde há menos terra. Este processo é muito comum em diversas construções. Terrapleno é um terreno a que se encheu uma depressão ou cavidade, ficando plano.
Os primeiros serviços de terraplanagem foram efetuados pelos babilônios e egípcios. Nos dias de hoje, a terraplenagem é utilizada em projetos de topografia (como barragens, prédios, aeroportos, etc.) e é efetuada por máquinas eficientes.

Terraplanagem ou terraplenagem

Freqüentemente, terraplanagem consta em alguns dicionários como um sinônimo de terraplenagem, mas é aconselhável a utilização do termo terraplenagem, que surgiu primeiro.
Apesar disso, algumas pessoas afirmam que existe uma diferença entre as duas palavras, sendo que terraplanagem é só tornar um terreno plano, sem utilizar terra de outro lugar, o que acontece no caso da terraplenagem.

Demolição

A demolição, para ser realizada, deve seguir normas técnicas e de segurança a fim de evitar ocorrência de fatos indesejados, como prejuízos ao patrimônio, à saude ou à vida das pessoas que nela trabalham ou venham a ter contato.
Os meios urbanos expandem-se cada vez mais e as necessidades de uma população crescente implicam melhores condições a todos os níveis. Cidades muito antigas apresentam na sua maioria plantas irregulares que congestionam o fluxo de pessoas e bens nestes territórios, bem como apresentam edifícios muitas vezes velhos e sem condições de segurança. As estruturas, após um determinado período de tempo, vão se deteriorando. Quando elas chegam ao ponto de já não poderem ser utilizadas ou serem consideradas inseguras, acaba por vezes ser mais econômico demoli-las do que restaurá-las.
Demolir um edifício velho e construir um moderno em seu lugar, será mais seguro bem como irá favorecer o aspecto da zona em causa. Assim, a Demolição surge como um dos instrumentos capazes de manter o bom funcionamento das cidades contribuindo para um desenvolvimento sustentável.
O avanço da tecnologia tem vindo a proporcionar o aparecimento de variados métodos de demolição de edifícios com vista à substituição de estruturas em más condições por novas construções, integradas num contexto social fundamental para o desenvolvimento e progresso do mundo moderno. A indústria da demolição e reciclagem de materiais apresenta-se, assim, como um esforço constante de mudança e de adaptação das condições humanas ao meio ambiente envolvente.

Pavimentação Asfáltica à Quente

Existem vários tipos de asfalto:

  • O CAP – Cimento Asfáltico de Petróleo (Ex. CAP-30, CAP-70);
  • O ADP – Asfalto Diluído de Petróleo (Ex. CM-30, CR-250);
  • A Emulsão Asfáltica (Ex. RR-2C, RM-1C); entre outros.

Dentro da engenharia rodoviária, cada tipo de asfalto se destina a um fim. Por exemplo: o ADP é utilizado para a imprimação (impermeabilização) da base dos pavimentos. Por outro lado, o CAP e as emulsões asfálticas são constituintes das camadas de rolamento das rodovias, de maneira que o CAP entra como constituinte dos revestimentos asfálticos de alto padrão como o CBUQ – Concreto Betuminoso Usinado a Quente – ao passo que as emulsões asfálticas são constituintes dos revestimentos de médio e baixo padrão, como os pré-misturados a frio e a quente (PMF e PMQ) e os tratamentos superficiais, as lamas asfálticas e micro asfalto.
Cabe ressaltar que a adoção de um revestimento de alto, médio ou baixo padrão leva em conta aspectos como: número e tipo de veículos pesados que transitam/transitarão na rodovia; vida útil adotada para o pavimento; disponibilidade de material; composição das camadas inferiores do pavimento, entre outros.

Pavimentação Asfáltica Instantânea
Asfalto Instantâneo ou modificado é um asfalto que foi elaborado para serviços emergenciais para reparos de tapa-buraco.
Material usinado a quente mais aplicado a frio, podendo ser usado nas diversas temperaturas como chuva por exemplo.
Ensacado em unidades de 25k e a granel, eliminando toda emulsão ligante de pintura no solo para ser aplicado, podendo ser aplicado em buracos com água e liberado imediatamente.
Estocagem até 20 meses
Rendimento?
Faz 1m² com espessura de 5 cm utilizando apenas 5 sacos de 25 kg,medidas com asfalto já compactada (5cm é a medida ideal que se e recomendada).para uma boa durabilidade e resistência.
Piso Intertravado
Piso intertravado De grande valor paisagístico, o piso intertravado é uma solução inteligente para obras viárias, passeios, calçadas, ciclovias, estacionamentos, áreas externas de shopping, pisos industriais, pátios de aeroportos, pátios de terminal de container, etc. Possui vida útil longa, baixa manutenção e não requer mão-de-obra especializada para aplicação.
São peças modulares de concreto com diversas formas, cores e texturas que, dispostas em conjunto, criam grandes áreas de superfície pavimentada de belíssimo efeito estético. O piso intertravado é muito usado para obras viárias, passeios, calçadas, praças, ciclovias, estacionamentos, áreas externas de shoppings, pisos industriais, pátios de aeroportos, pátios de terminal de container e outros. Possui vida útil longa, baixa manutenção e não requer mão-de-obra especializada para aplicação. Características do piso intertravado: melhor conforto térmico; melhor visibilidade noturna; liberação imediata ao uso; resistência ao tráfego pesado; versatilidade quanto às aplicações desempenho garantida.
Principais vantagens da utilização de pisos intertravados os blocos colocados podem ser retirados e re-colocados, permitindo consertos subterrâneos em calçadas, sem remendos; tem uma variedade de formatos e cores que permitem uma gama de projetos; são ecologicamente corretos; fácil assentamento; extremamente duráveis; custo relativo compatível com alternativas pela sua durabilidade e facilidade de manutenção
Espessura: Recomenda-se que as peças tenham espessuras mínimas de 6 cm, para pavimentos com tráfego leve, 8 cm para aqueles submetidos ao tráfego de veículos comerciais e 10 cm para casos especiais. Os blocos intertravados são assentados em cima de uma camada de areia, colocada sobre uma base de bica corrida ou outra especificada em projeto. Resistência Mecânica: Estudos mostram que a resistência à compressão uniaxial das peças, dentro de uma faixa de 35 a 55 MPa não tem influência no comportamento estrutural dos pavimentos sob carga de veículos comerciais de linha. Outros fatores, referentes à durabilidade são os que influem na fixação de resistências mínimas. No Brasil, a norma NBR 9781 (Peças de Concreto para Pavimentação – Especificação) estipula que a resistência característica estimada à compressão das peças, calculada de acordo com a NBR 9780 (Peças de Concreto para Pavimentação Determinação da Resistência à Compressão Método de ensaio), deve ser 35 MPa para as solicitações de veículos comerciais de linha ou 50 MPa quando houver tráfego de veículos especiais.
Guias e Sarjetas
As ruas servem a um importante e necessário fim de drenagem, embora sua função primordial seja a de permitir o tráfego de veículos e de pedestres. Tais finalidades são compatíveis entre si, até certo ponto, além do qual as condições de drenagem devem ser fixadas pelas conveniências desse tráfego. O escoamento das águas pluviais ao longo das sarjetas é necessário para conduzi-las até as bocas-de-lobo que, por sua vez, as captam para as galerias. Um bom planejamento do sistema viário pode reduzir substancialmente o custo do sistema de drenagem, e até dispensar a necessidade de galerias de águas pluviais. Os critérios de projeto para a coleta e condução das águas pluviais, em ruas públicas, são baseados em condições predeterminadas, de interferência com o tráfego. Isto significa que dependendo da classe da rua, certa faixa de tráfego pode ser inundada uma vez durante um intervalo de tempo correspondente ao período de retorno da chuva inicial de projeto. No entanto, poderão ocorrer chuvas menos intensas provocando descargas que inundarão a mesma faixa de tráfego em menor extensão.